24 setembro 2016

Resenha: Quando eu Parti - Gayle Forman autora de Se eu Ficar

Maribeth Klein tem a própria cota de problemas: do marido omisso até a chefe e ”ex-amiga” Elizabeth, passando pelos gêmeos superativos. Ela está sempre tão ocupada que mal percebe um ataque cardíaco. Depois de uma complicação inesperada no procedimento cirúrgico, Maribeth começa a questionar os rumos que sua vida tomou e faz o impensável: vai embora de casa. Longe das exigências do marido, filhos e carreira, e com a ajuda de novos amigos, ela finalmente é capaz de enfrentar o passado e os segredos que guarda até de si mesma. Quando um coração falha, não é apenas o corpo que trai. Mas sonhos desfeitos, amores não vividos, destinos cruzados.


Desde que eu li esse livro eu sabia que esta seria uma resenha muito difícil de escrever. Não seria fácil falar de um livro que não me comoveu ou me divertiu em nenhum momento. Eu sou apaixonado pela trilogia Apenas um Dia/Noite/Ano (vou deixar o link para a resenha dos três livros no final do post). Como eu amei essa trilogia e todo mundo ama Se eu ficar (que eu não li), eu imaginei que a autora iria encantar o leitor nessa nova fase de escrever livros mais adultos/contemporâneos. E não foi o que aconteceu, mas eu explicarei tudo o que me levou não amar seu novo romance Quando eu Parti.

Eu sei que milhares de leitores amam a Gayle e eu também sou fã dos seus romances, mas eu simplesmente não consegui me conectar com a protagonista e seus dilemas. Todo o enredo do livro está na sinopse, eu sempre bato nessa mesma tecla aqui no blog, eles insistem em colocar todo conteúdo do livro em uma sinopse gigantesca deixando o leitor com pouquíssimas surpresas no decorrer da leitura. Quando eu Parti é narrado em terceira pessoa o que me fez demorar mais ainda para me conectar com os personagens, sem contar que as primeiras 80 páginas é como se fosse uma longa introdução da vida e rotina da protagonista. É como naqueles livros que o leitor só começa a se importar com o que está acontecendo após a página 100 (pelo menos, foi como eu me senti).

No ponto que dá partida para a história que é quando a protagonista resolve sair de casa deixando para trás seu marido, filhos e carreira (NÃO É SPOILER está na sinopse rsrs), não ficou muito claro pra mim porque ela tomou essa decisão, uma pessoa deixar os filhos para trás para ter um momento de " descobrimento pessoal " não faz muito sentido. É claro que eu entendi que a autora quis passar essa espécie de “crise de identidade”, mas confesso que eu não concordei muito com algumas decisões da Maribeth. É muito provável que vários leitores amem esse livro, e talvez muitas pessoas que antes não tinha vontade de ler os livros jovens da autora, agora passem a se interessar por seus novos romances adultos.

Em vários momentos do livro nós teremos alguns flashbacks do passado da protagonista, o que me deixou confuso as vezes, acho que esse lance de flashback funciona quando estamos assistindo um filme ou uma série, agora em um livro acaba deixando a leitura um pouco monótona, porque sempre que você está super empolgado com tal acontecimento presente, somos jogados lá para o passado (isso foi broxanteeee).

Geralmente na maioria dos livros, os autores meio que enfeitam algumas situações que no nosso dia a dia dificilmente aconteceria daquela forma, em Quando eu parti a autora conseguiu ser mais "emoção" que "ficção". O que víamos durante o enredo realmente poderia acontecer, alguns dos motivos que levou a protagonista a "abandonar" sua família em busca de um autodescobrimento acaba sendo um pouco plausível, mesmo nós leitores não concordando com suas decisões, nós conseguimos entender de certa forma e isso foi um ponto muito positivo para a Gayle Forman. (É bem complicado de explicar kkkkk). Eu realmente gostaria de ter adorado esse livro e indicar ele pelo resto dos meus dias, mas não será possível e isso é meio frustrante pra mim.

A meu ver, no final da sua jornada a protagonista meio que conseguiu ficar em paz com seus dilemas. O final do livro não é muito conclusivo a meu ver, então teremos aí um mar de possibilidades para o seu "felizes para sempre". Eu gostaria de poder entender se foi uma crise de meia idade ou o que foi que aconteceu de fato, acho que essa não foi uma leitura que eu tive todas as respostas ou fiquei super satisfeito, simplesmente se tornou mais uma leitura do ano (sem deixar uma boa lembrança ou uma grande lição....).

Eu realmente não gostaria de vim aqui no blog e falar sobre minha experiência com essa leitura, porque eu sei o quanto todo mundo ama essa autora e de como muitas leitoras podem ficar bravas e provavelmente me xingar nos comentários kkk. Eu não tinha grandes expectativas para essa história, então eu embarquei de coração aberto, pronto para tudo, mas o TUDO foi tão entediante e monótono que me desanimei eternamenteeee. Acho que a forma que a autora abordou os temas que ela tinha em mente, não se encaixaram muito bem no livro e acabou me desanimando quanto mais eu lia. Eu espero muito que vocês fãs da autora possam ler e tirar suas próprias conclusões. Se alguém leu e acabou concordando comigo em alguns aspectos é só vim conversar comigo aqui nos comentários, e se alguém amou o livro e achou um absurdo tudo o que eu falei, é só vim aqui também e defender sua tese rsrs.

Lembrando que saiu o post de compras literárias das últimas semanas e meu Top 10 mais desejados do Skoob (vou deixar o link para vocês conferirem).


Redes Sociais: Facebook & Skoob  

PS: Gostaria de frisar para vocês que meu livro favorito da autora é o O que há de estranho em mim (tem resenha dele aqui no blog, é só dar uma olhadinha lá no menu).

Muito obrigado a todos que leram até aqui e me contem quais os seus livros favoritos da autora e quais vocês estão mais ansiosos para serem adaptados??!! 

10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi amigo, eu gosto da gayle igual eu gosto da JoJo, mas as vezes tem uns livros delas q me deixam meio sem conseguir formar uma opinião kkkkk. Já vi q esse sera um deles. Eu amo se eu ficar, pra onde VC foi, e eu estive aki. Espero curtir esse ai. Esta na minha lista kkkk bjuss amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Patty eu não gostei desse BOA SORTE pra ti então kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. To ferrada kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  3. Guto boa tarde amigo,saudades eu li algumas resenhas dessa autora mais o único livro que li foi "Se eu ficar" depois que terminei não tive vontade de ler a sequência kkkkkkkkkkk ultimamente tô um porre para ler kkk e sem óculos piora tudo kkkk um bj e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. pois estamos os dois sem óculos super cegos kkkkkkkkkk ninguém merece (nunca tive vontade de ler Se eu ficar)... muito lenga lenga rsrs

    ResponderExcluir
  5. ACHEI MARAVILHOSO ESPERO A CONTINUAÇÃO DELE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Betania, sério que vc amou tanto assim?? Puxa eu não curti muito, achei um pouco chato as vezes. Quem sabe a continuação seja melhor

      Excluir
  6. Eu amei o livro! Mas acho que só entende completamente os motivos dela pra ir embora é quem é mãe...rs Muito real tudo que ela descreve.

    ResponderExcluir
  7. Eu amei o livro! Mas acho que só entende completamente os motivos dela pra ir embora é quem é mãe...rs Muito real tudo que ela descreve.

    ResponderExcluir

Pessoal, eu estou respondendo todo muito a noite quando volto do trabalho. Mas no Facebook eu respondo mais rápido!!